Temusados

Temusados

Dirija Já

Dirija Já

Chaveiro 24h

Blog do Francisco Evangelista. Tecnologia do Blogger.
quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Mercado de restauração ecológica dá os primeiros passos em Pernambuco

A preocupação com a sustentabilidade tem levado os governos e os grandes empreendimentos a se preocuparem com a restauração ecológica. Essa ação, também chamada de compensação florestal se dá, em sua maioria, pela instalação de Áreas de Preservação Permanente – APPs e Reserva Legal – RL, para é necessário a produção de mudas nativas. Esse produto, até então, só era encontrado em São Paulo, onde essa cadeia produtiva está bem desenvolvida.

Por meio de um projeto do Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (Cepan) promoveu-se a formação técnica, a organização de viveiristas e a articulação entre compradores, órgãos de fiscalização, fazendo de 2015 um ano de boas perspectivas para o início da movimentação desse mercado produtivo. Agora, Pernambuco dá os primeiros passos para aquecer esse mercado verde.

O grupo de produtores, organizados por meio da Associação Nordestina de Produtores de Muda – Muda Nordeste, além da qualificação – cursos, intercâmbios e visitas técnicas-, hoje, encontra-se apto a atender as demandas por restauração no Estado do ponto de vista formal através do Registro Nacional de Sementes e Mudas (Renasem). Os produtores integrantes também receberam qualificação em gestão financeira, visando iniciarem um plano de negócios na área do mercado produtivo de restauração ecológica.

O 2º Workshop sobre Oportunidades de Negócios em Restauração Ecológica na Região da Mata Atlântica ao Norte do Rio São Francisco discutiu a importância da estruturação desse mercado, promovendo um encontro entre os diversos atores que compõem essa cadeia produtiva da restauração: produtores de mudas, compradores e os órgãos de fiscalização ambiental.

A articulação entre esses atores representa um maior fluxo de demanda produtos e serviços de restauração, e consequentemente, geração de empregos verdes e renda para pequenos produtores de mudas nativas, empresas que executam plantios e profissionais da área, prevê o técnico responsável pelo Projeto Pilar , Gabriel Favero.

O Projeto foi realizado em parceria com a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), com o apoio do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio). A ação se desenvolveu na porção que restou da Floresta Atlântica que cobre parte dos estados de Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte, região chamada de Corredor de Biodiversidade do Nordeste (CBNE). Por
Adriana Amâncio

0 Comentários até agora. Qual sua opinião?:

Siga-nos no Google+

Fotos do Blog

Top 10 da semana