Temusados

Temusados

Dirija Já

Dirija Já

Chaveiro 24h

Blog do Francisco Evangelista. Tecnologia do Blogger.
segunda-feira, 16 de maio de 2016

"Deus me colocou lá" diz Eduardo Cunha sobre impeachment

O presidente afastado da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB/RJ) deu várias declarações polêmicas ao jornal Folha de São Paulo na primeira entrevista após a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de suspender seu mandato. Entre várias revelações, insiste até que Dilma Rousseff lhe ofereceu a “ajuda” de cinco ministros do Supremo no último encontro que tiveram, em setembro de 2015.

Questionado pelo jornal se, caso ele não fosse o presidente da Câmara, não haveria impeachment, ele demonstrou convicção: “Deus que me colocou lá”. A jornalista insiste: “Deus queria o impeachment de Dilma?” Cunha resume-se a dizer: “Não sei, nada acontece se não for pela vontade de Deus”.

Denunciado pelo Ministério Público, sendo suspeito de corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato, Cunha queixa-se: “Fui alvo de uma cassação branca”. O motivo, segundo ele, obedeceu critérios políticos e não seguiu o que prevê a legislação do país.

Chamado por Dilma de “capitão do golpe”, o parlamentar lembrou que recebeu 53 pedidos de impeachment contra a presidente. Um recorde histórico. Desse total, rejeitou 41, aprovou um e deixou 12 que não foram decididos. Justifica que o critério foi técnico: “Ela promoveu despesas sem autorização do Poder Legislativo”.

Esclarecendo que muitas das acusações dos aliados da presidente não se sustentam ao ser comparados com os fatos, assevera: “Eu não fiz chantagem. Fui eu que não aceitei a chantagem dela”.

Segundo ele, existem testemunhas de que o ex-ministro Jaques Wagner (PT) e o governador do Rio, Fernando Pezão (PMDB) reiteraram a oferta de Dilma que poderia livrar-lhe das acusações no STF. “Não aceitei ser comprado”, resume.

“Eu não acredito que alguém possa ter cinco ministros do Supremo sob seu controle. Não existe isso, eu respeito a Suprema Corte e não entendo isso. Eu entendo isso como uma, digamos assim, como uma bravata”, sublinhou.

Ao comentar sobre a decisão do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de suspender seu mandato e, consequentemente, da presidência, dispara: “Quando você pega decisão do meu afastamento, quase tudo é matéria jornalística”. Cunha não teme ser preso, alegando que “quem não faz nada não tem o que temer”. GospelPrime

0 Comentários até agora. Qual sua opinião?:

Siga-nos no Google+

Fotos do Blog

Top 10 da semana