Temusados

Temusados

Dirija Já

Dirija Já

Chaveiro 24h

Blog do Francisco Evangelista. Tecnologia do Blogger.
quinta-feira, 16 de junho de 2016

Caso Beatriz: Ministério Público anuncia grupo com 6 Promotores para analisar investigação



O Ministério Público de Pernambuco instaurou um grupo com seis Promotores de Justiça para analisar as provas do crime colhidas pela Polícia Judiciária do caso Beatriz. A informação foi divulgada pelos Promotores de Justiça numa coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira (15). Beatriz Angélica Mota, de sete anos, foi assassinada com 42 facadas no dia 10 de dezembro de 2015, dentro das dependências do Colégio Nossa Senhora Maria Auxiliadora, em Petrolina, e até o momento, o inquérito não foi concluído com a punição dos envolvidos no crime.

Sob o comando do Procurador-Geral de Justiça, Carlos Augusto Guerra de Holanda, os Promotores Carlan Carlo da Silva, Ana Rubia Torres, Julio Cesar Soares Lira, Lauriney Reis Lopes, Bruno de Brito Veiga e Rosane Moreira Cavalcanti, asseguram que o grupo de trabalho dará, a partir de agora, uma assistência 24horas as investigações com o objetivo de elucidar o crime, pois a união de forças, com a força-tarefa, dará folego ao grupo para desvendar o crime, ressaltou o Promotor Carlan Carlo, que até então dirigia o trabalho com mais dois colegas Promotores.

“Estamos juntos para que possamos fazer um trabalho com os demais órgãos de investigação com o intuito de esclarecer a autoria desses fato criminoso que vitimou a menor Beatriz. O grupo de trabalho se faz necessário para que o MPPE possa dar uma assistência 24horas, para que a qualquer momento o colega esteja sabendo da situação e tendo conhecimento dos fatos. A investigação tem hora para começar não tem hora para acabar, pode ser concluída a qualquer momento, com um simples detalhe um crime pode ser elucidado, mesmo aquele que aparentemente de difícil elucidação”, disse Guerra. 


De acordo com o Promotor Julio César, que conduziu a coletiva, o primeiro passo do grupo é conhecer as provas até então produzida pelo delegado da Polícia Civil Marcione Ferreira responsável pelas investigações do caso Beatriz e que conduz o inquérito; o segundo passo é ouvir os pais de Beatriz Lucia Mota e Sandro Romilton e o terceiro passo é realizar uma reunião com o setor de investigação da Polícia Judiciária, os pais de Beatriz, e os demais órgãos de segurança que acompanham o caso. “Este crime não ficará impune, vamos nos apoderar da prova até então produzida para que as seis cabeças [Promotores de Justiça] possam analisar”, disse Julio César.

O Promotor também ressaltou que “a investigação é da Polícia Judiciária e ela está no caminho certo”, e disse que não cabe nem a Polícia e nem ao Ministério Público está informando a imprensa, já que o processo de investigação corre sob segredo de Justiça. “O grupo de trabalho vai se dispor a participar de todos os fatos da Polícia Judiciária com o objetivo de desvendar o crime e sustentar as provas em Juízo. Vamos defender as provas das autorias reveladas e respaldar as provas contra os criminosos, evitando a não impunidade”, afirmou Julio César.

Questionado o porque da formação desse grupo seis meses após o crime, o Promotor de Justiça, informou que não houve demora. “O que estamos fazendo de forma bastante célere é dar encaminhamento a um grupo que foi formado sábado, então, a atuação do grupo está sendo imediata, diante da importância que o caso requer e é bom que se diga que a Polícia Judiciária, em quem nós temos confiança, pelo trabalho até então realizado, o MP é receptor das provas conduzidas pelo delegado de Polícia”.


Os pais da vítima acompanharam a reunião com a imprensa, em seguida, se reuniram com o grupo de Promotores para uma primeira conversa. Este contato foi restrito sem a presença da imprensa.


Audiência Pública

Na manhã desta quarta-feira (15), com a presença de representantes do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Polícias Civil e Militar, vereadores e movimentos contra a impunidade, a Casa Plínio Amorim realizou uma audiência pública para debater os direitos da criança e do adolescente. Na oportunidade, o pai de Beatriz, Sandro Romilton Ferreira, destacou que a família continua com a campanha solicitando das pessoas vídeos, fotos, informações do dia do crime que possam ajudar nas investigações. “Temos informações que poucas pessoas têm contribuído neste sentido, e nós apelamos que qualquer informação seja passada para a polícia, e se não tiver disponibilidade de mostrar para os investigadores que nos procure. Não vamos parar de tentar uma prova substancial”.

Sobre a formação do grupo de Promotores de Justiça, Sandro ressaltou que há tempos a família questionava o trabalho da Promotoria. “Quando se manifestava era contrária a nossas ideologias, as nossas ideias (…) nós cobramos das instituições (MPPE e PC) e todo passo para que esse crime seja desvendado é relevante. No vídeo, eu identifiquei a presença de alguns funcionários do Colégio que estavam próximos do bebedouro (onde o corpo da menina foi encontrado), foram imagens difíceis, até hoje guardo na memória as imagens de Beatriz descendo pela última vez, desse indivíduo bem-vestido descendo as escadas também, passa um bom tempo lá embaixo, não sei se com ela, ele retorno e Beatriz não volta mais”. Grande Rio FM

0 Comentários até agora. Qual sua opinião?:

Siga-nos no Google+

Fotos do Blog

Top 10 da semana