Temusados

Temusados

Dirija Já

Dirija Já

Chaveiro 24h

Blog do Francisco Evangelista. Tecnologia do Blogger.
domingo, 3 de julho de 2016

Lava Jato: mensagem de celular diz que Lula ajudou OAS a obter obra de R$ 1 bi

Mensagem encontrada pela Polícia Federal no celular do empreiteiro Léo Pinheiro, um dos sócios da OAS, diz que o ex-presidente Lula atuou para que a empresa conquistasse na África o direito de executar uma obra de cerca de R$ 1 bilhão. No texto, lê-se que a empreiteira obteve a execução de um empreendimento na Guiné Equatorial “com a ajuda do Brahma” – codinome com que, segundo interpretação da PF a partir de informações da Operação Lava Jato, Pinheiro se referia ao petista.

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, a mensagem foi enviada para o celular de Pinheiro em 31 de janeiro de 2013 por Jorge Fortes, diretor de Relações Institucionais da OAS em Brasília àquela época. O objetivo do comunicado era que o empreiteiro viabilizasse, por intermédio de um ministro não identificado, que a presidente Dilma Rousseff colocasse a pedra fundamental em uma estrada de 51 quilômetros ligando a capital da Guiné, Malabo, a Luba – as duas principais cidades portuárias do país.

A obra foi contratada por US$ 320 milhões, algo em torno de R$ 1 bilhão. Léo Pinheiro afirmava que o empreendimento estava situada ao lado do aeroporto em que Dilma desembarcaria em fevereiro de 2013 – a presidente fez uma visita àquele país africano naquele mês e perdoou uma dívida de R$ 27 milhões do país com o Brasil. No entanto, frisa a Folha, não há informações de que ela acatou a demanda do executivo da OAS a respeito da obra.

“A Guiné Equatorial é governada por um ditador, Teodoro Obiang, que se tornou aliado de Lula quando o ex-presidente decidiu que o Brasil deveria ter uma presença forte na África. Ele é o ditador africano que está há mais tempo no poder: 36 anos. Antes de Dilma visitar a Guiné Equatorial, o filho do ditador, Teodorín Obiang, passou o carnaval no Rio e conseguiu escapar de um pedido de extradição feito pela França graças a ajuda de executivos da OAS”, diz trecho da reportagem.

Por mais de uma vez Lula disse considerar legítimo que presidentes e ex-presidentes da República atuem em outros países para promover negócios de interesses do Brasil e de empresas nacionais no exterior – argumento que não convenceu a Procuradoria-Geral da República, que em julho de 2015 abriu inquérito contra o petista por tráfico de influência, depois de investigação do Ministério Público Federal. Por meio de nota, o Instituto Lula nada disse sobre a mensagem no celular de Léo Pinheiro. “Não comentamos vazamentos ilegais de mensagens de autoria de outras pessoas”, resumiu a entidade. CongressoemFoco

0 Comentários até agora. Qual sua opinião?:

Siga-nos no Google+

Fotos do Blog

Top 10 da semana